Publicidade

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

JERUSALÉM (2015): Resenha de filme

Jerusalém (Jeruzalem, 2015) parte de uma premissa legal para um filme de terror: como seria o dia do juízo final na Cidade Santa, onde segundo o profeta Zacarias haverá uma grande batalha precedendo o Apocalipse?

Mas talvez essa seja a única coisa interessante nesse filme de terror israelense. A premissa é muito mal explorada e as cenas são recheadas de clichês.

Trata-se de um filme found footage. Mas, em vez de câmeras de vídeo, o espectador acompanha todo o desenrolar através de um óculos "Google" da protagonista, que grava, tira fotos, acessa redes sociais e faz videoconferências internacionais sob comando de voz (tá isso é legal também!).

No filme, dirigido pelos irmãos Paz, duas amigas judias resolvem visitar Israel na época do Yom Kippur. Ao conhecer um antropólogo ao estilo de Indiana Jones, elas decidem ir para Jerusalém antes da capital Tel Aviv. Elas ficam hospedadas numa tradicional hospedaria no setor árabe da cidade velha.

Então, depois de fazerem alguns passeios e irem a festas, o amigo "Indiana Jones" começa a sentir que algo ruim está para acontecer na Cidade Santa. Ele então é "internado" em um hospício para visitantes com Síndrome de Jerusalém (o mal psicológico que causa euforia e experiências transcendentais em alguns turistas). E, então, começa o juízo final, com demônios invadindo a cidade velha.

O início do juízo final é muito promissor. Sirenes soam e as Forças de Defesa de Israel selam a cidade velha. Eu, como espectador, fiquei imaginando os horrores a que aquelas pessoas, presas dentro da cidade velha, seriam submetidas

Mas é frustrante. O terror prometido não vem. O principal problema do filme é que os demônios se parecem demais com o zumbis. Eles mordem as pessoas e elas se transformam em demônios. Isso, para mim, é ponto muito negativo.

O terror causado pelos demônios é muito minimizado no filme. Eles aparecem apenas perseguindo as pessoas, mas falta suspense e falta aquelas maldades que você espera que os anjos caídos sejam capazes de fazer.

Há também alguns furos. O primeiro deles é que o amigo "Indiana Jones" é internado num hospício apenas porque ficou um pouco eufórico. Isso não faz sentido nenhum. E a protagonista, que acabou de conhecer o cara, se arrisca a ser destruída por demônios no juízo final para entrar no hospício e procurar por seu novo amigo.

Outro furo é que os demônios morrem com tiros. E outra coisa: as Forças de Defesa de Israel não seriam capazes de conter os demônios na cidade velha. Até porque, entre os demônios, há um gigante, que tem o tamanho de um godzilla e conseguiria passar pelos muros da cidade velha apenas com uma passada.

Em geral, o filme é razoável. De zero a 10, nota 6,5. Poderia ser 7 ou 7,5, mas reduzi a nota porque fiquei muito frustrado com o desenrolar da história.



DADOS DO FILME:
Título original: Jeruzalem
Direção: Doron Paz e Yoav Paz (Irmãos Paz)
Ano: 2015
País: Israel
Duração: 94 minutos

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Goiânia recebe Mostra Trash de Cinema Fantástico a partir do dia 7

Goiânia recebe a partir desta quarta-feira (7/12) a Trash - Mostra Internacional de Cinema Fantástico, que reunirá longas e curtas de terror, fantasia e ficção científica. Serão oito longas e 46 curtas-metragens do Brasil e de vários países.

Entre os longas que serão exibidos estão os nacionais As Fábulas Negras (2015), uma antologia de curtas envolvendo criaturas folclóricas de vários diretores, e Terror no Colégio (1995), de João Rosendo. Também será exibida a co-produção brasileira/americana Lilith's Awakening (2015), de Monica Demes.

Já os longas de terror estrangeiros presentes na mostra serão o kossovar Virus - Extreme Contamination (2016) e o argentino O Elo Podre (El Eslabón Podrido, 2015).

A mostra terá ainda cinco sessões temáticas de curtas. Para os fãs de terror, a sessão mais interessante é a "Experimental e Sangue", com sete sangrentas produções nacionais (dia 10, às 17h30). A Trash - Mostra Internacional de Cinema Fantástico será realizada no Cine Cultura, na Praça Cívica, número 2, no Centro de Goiânia.

Confira aqui a programação do festival

domingo, 4 de dezembro de 2016

III (2015): Resenha de filme

O filme russo-germânico III (2015) é um filme interessante, que se utiliza de uma fotografia excessivamente amarela (às vezes  alaranjada) e cenários campestres para transportar o espectador para uma paisagem onírica.Todo o filme é rodado como se fosse um sonho ou um pesadelo.

Lembra um pouco Terror em Silent Hill (Silent Hill, 2006), mas é menos sombrio do que este.

Em uma pequena cidade europeia (não determinada), uma epidemia está matando os moradores. A mãe de Aya e Mirra é infectada e morre. Em seguida, é a vez de Mirra ficar doente. Aya, então fica desesperada com a possibilidade de perder a irmã.

Sem muitas alternativas médicas, ela recorre a um padre que é amigo de infância de sua família. O sacerdote não crê mais apenas nos dogmas cristãos e acredita que todos os males podem ser curados através da mente. Ele propõe a Aya a realização de um perigoso ritual xamânico.

Aya será transportada para a mente de Mirra para tentar descobrir a origem do mal e curá-la espiritualmente. Mas há o risco de ela se enfraquecer e nunca mais retornar para o mundo real.

O filme não dá muito medo. As únicas cenas um pouco mais assustadoras são aquelas em que uma bizarra criatura aparece para Aya. Mas o filme tem uma bela fotografia. As cenas, gravadas na medieval Marburg, na Alemanha, são lindas.

O final não é dos melhores e também inconclusivo (pode gerar algumas interpretações), mas pelo menos é diferente. De zero a 10, nota 7.



DADOS DO FILME
Título original: III
Direção: Pavel Khvaleev
Ano: 2015
País: Alemanha/Rússia
Duração: 80 minutos

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Terror nacional O RASTRO levará público a visitar “hospital abandonado” na CCXP

A rede de televisão Telecine apresentará na Comic Con Experience (CCXP), em São Paulo, um espaço interativo baseado no filme de terror nacional O Rastro, dirigido pelo pernambucano J.C. Feyer. A área, chamada de "O Rastro: A Experiência", transformará o visitante no paciente de um hospital desativado, o set do filme brasileiro.

A ideia é levar o visitante a percorrer um labirinto de corredores em busca de uma saída, enquanto sente o pavor dos personagens do filme. O espaço estará aberto durante todo o evento, que começa nesta quinta-feira (1o) e vai até o domingo (4) no centro de convenções São Paulo Expo (Rodovia dos Imigrantes, Km 1,5 - Água Funda, São Paulo).

Na sexta-feira, haverá uma mesa de debates com o diretor e os atores do longa Leandra Leal e Rafael Cardoso, além dos produtores Malu Miranda e André Pereira. O filme só deverá ser lançado em março de 2017, mas o trailer terá sua primeira exibição na CCXP.



Segundo a distribuidora Imagem Filmes, O Rastro se passa durante um processo de desativação de um hospital. O médico João é escolhido para coordenar a remoção dos pacientes, mas na noite da transferência, uma menina de dez anos desaparece sem deixar vestígios. Para descobrir o que aconteceu, o médico acaba mergulhando em um universo obscuro, que nunca deveria ser revelado.

Além de Leandra Leal e Rafael Cardoso, o elenco conta com estrelas globais como Felipe Camargo, Claudia Abreu, Jonas Bloch e Alice Wegmann e outros. A produção é da Lupa Filmes em coprodução com a Orion Pictures e a Imagem Filmes, que também cuidará da distribuição no Brasil.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

ESFINGE, de Coelho Neto: Resenha de livro

Esfinge, de Coelho Neto, é um dos raríssimos exemplares do terror na literatura brasileira clássica pré-segunda metade do Século XX. Lançado originalmente em 1908, o livro é classificado como um romance gótico.

A premissa básica é muito parecida com a de Frankenstein, trata-se de um ser humano que é trazido de volta à vida com a ajuda de um "cientista" e tem uma crise existencial. Se no caso do romance de Mary Shelley, o corpo da criatura é montado a partir das partes dos corpos de vários cadáveres, no livro de Coelho Neto, a criatura é a junção de corpo de um homem com a cabeça de uma mulher.

Então, no caso de Esfinge, o que mais angustia a criatura, James Marian, é a indefinição de sua sexualidade, já que ele é um ser híbrido, transexual.

A história se passa em uma pensão na Rua Paissandu, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro, que é comandada por uma senhora inglesa, a senhora Barkley. Ali vivem várias pessoas, que se sentem intrigadas com um novo hóspede, o também inglês James Marian, que tem um corpo de Apolo e um rosto feminino.

Marian não se relaciona muito com os outros moradores da Pensão Barkley. Mas um dos hóspedes, o narrador, começa a se aproximar de Marian. Depois que uma relação de confiança é estabelecida entre os dois, Marian pede ao narrador que traduza uma novela sua para o português.

A novela, o narrador descobre, conta a história da vida do enigmático inglês. E é ao ler as páginas com garranchos por vezes indecifráveis que o narrador descobre que Marian, na verdade, foi fruto de uma experiência do cientista místico oriental Arhat.

Arhat, um correspondente oriental do cientista Victor Frankenstein, presencia um acidente em que dois irmãos são mortos. O menino está com o corpo intacto, mas sua cabeça está esmigalhada. Já com a irmã, aconteceu o inverso. Ele então decide usar seus conhecimentos da "magna ciência" para juntar os dois corpos e trazê-los de volta à vida.

A linguagem é bem rebuscada, o que é de se esperar de um livro do início do século passado. Ainda mais por se tratar de um representante do movimento simbolista no Brasil.

A história, no entanto, é muito envolvente. Coelho Neto, considerado um dos mais prolíficos escritores brasileiros, faz um bom uso de descrições lúgubres em seu livro, como nos trechos que descrevem a morte e o post-mortem de uma das moradores da pensão por tuberculose.

Outros pontos altos do livro estão nas cenas em que o narrador se depara com aparições sobrenaturais. Coelho Neto estava bastante influenciado pelas doutrinas espíritas e sua escrita reflete isso.

Mas o que aparece para o narrador não é um simples fantasma, mas a aparição do espírito de uma pessoa que ainda está viva. Isso confunde um pouco o leitor, mas Coelho Neto tenta explicar que corpo e mente não são uma coisa só, então é possível desvincular a alma do corpo mesmo em vida.

Em uma das aparições, o narrador vê James Marian em uma versão completamente feminina. Será que James Marian está experimentando uma experiência extra-corpórea? Ou será que isso significa que, no embate das almas masculina e feminina, o ego masculino se sobressaiu, matando a alma feminina?

Não dá para saber, porque Coelho Neto não busca explicar isso para o leitor.

Enfim, além de ser uma leitura bem agradável, o livro tem um valor muito importante para a literatura de terror brasileira. Infelizmente, ele não está mais no catálogo de nenhuma editora, mas é possível encontrá-lo em ebook e em sebos.

domingo, 27 de novembro de 2016

O GAROTO SOMBRIO (2015): Resenha de filme

O Garoto Sombrio (The Boy, 2015) é mais um filme de terror psicológico sobre o surgimento dos sintomas de transtorno de personalidade antissocial em crianças, que busca mostrar a "construção" de um jovem psicopata.

Ted Henley é um menino de nove anos que vive com seu pai, isolado em um motel decadente na beira de uma estrada que não atrai mais tantos motoristas como antigamente. Aos poucos, o menino vai mostrando uma obsessão com a morte.

Primeiro, ele começa catando carcaças de bichos atropelados na estrada para ganhar 25 centavos de seu pai. Depois, ele começa a querer matar os bichos na rua. Uma de suas primeiras maldades é colocar comida no meio da rodovia, para que um cervo seja atropelado.

Aos poucos, ele vai demonstrando sua personalidade psicopata. O filme é bem paradão. Não tem cenas de muito suspense nem de medo, propriamente dito. Enfim, o filme não assusta, mas tem uma atmosfera legal.

O diretor do filme, Craig William Macneill foi muito feliz em várias cenas. Quem vê o filme, já sabe que se trata de um filme de terror. Então, a todo momento, você fica esperando uma grande maldade do menino psicopata. Macneill constrói todo um clima e te prepara para o pior.

E o interessante é que, na maioria das vezes, essa expectativa é frustrada. Mas a frustração não é algo negativo, porque o espectador sabe que, em algum momento, algo de muito ruim vai acontecer no filme. E, por fim, o espectador acaba sendo presenteado.

Isso pode ser visto muito bem em uma sequência de cenas, que são muito legais, envolvendo uma família que chega ao motel apenas para passar a noite. Mas o carro tem um problema mecânico e eles acabam tendo que passar alguns dias por lá. O casal tem um filho da idade do pequeno psicopata.

Há várias ocasiões em que o espectador fica imaginando: é agora que o psicopata vai matar o coleguinha. Não vou dizer se ele mata ou não a outra criança, para não estragar o filme.

O filme é um terror soft, uma espécie de dark drama, a maior parte do tempo, lidando com os dramas da solidão, ausência da figura materna, falta de perspectivas e criação dos filhos. Não é para quem está buscando um terror tradicional, com sangue e sustos.

O final lembra um pouco o da história de Carrie (1974), de Stephen King. O interessante é que o filme não é baseado nem em um romance nem em um conto, mas apenas no capítulo (The Henley Road Motel) de um romance (Miss Corpus, de 2003).

De zero a 10, nota 7.


DADOS DO FILME:
Título original: The Boy
Direção: Craig William Macneill
Ano: 2015
País: EUA
Duração: 105 minutos

sábado, 26 de novembro de 2016

Diretora brasileira Monica Demes conquista prêmio internacional de melhor direção com LILITH'S AWAKENING, na Itália

A cineasta brasileira Monica Demes conquistou o prêmio de Melhor Direção do festival internacional de cinema de terror/fantasia italiano The Optical Theatre Festival, pelo seu trabalho na direção de Lilith's Awakening, produção brasileiro-americana. A premiação ocorreu na última sexta-feira (25), na Fornaci Cinema Village, na cidade de Frosinone, na Itália.

Lilith's Awakening, que estreou em junho deste ano, no Dances With Films Festival, dos Estados Unidos, é um terror psicológico sobre vampiros que conta a história de uma mulher sexualmente reprimida que se vê presa em um casamento infeliz e num emprego nada promissor.

Ela começa a sonhar com uma mulher misteriosa que vaga pelo bosque e acaba despertando um lado negro.