Publicidade

domingo, 25 de setembro de 2016

MARCAS DA POSSESSÃO (2015): Resenha de filme

Marcas da Possessão (Ava's Possessions, 2015) é um filme sobre possessão demoníaca como nenhum outro e inova tanto em sua premissa quanto em sua estética. O diretor Jordan Galland, que tem uma carreira mais consolidada com trilhas sonoras do que com direção de filmes, tentou fazer algo diferente e conseguiu.

Diferente de outros títulos do subgênero possessão, o longa mostra a vida de uma jovem, Ava, depois de seu bem sucedido exorcismo. Livre do demônio que a possuiu, Ava tem que reconstruir seus laços familiares e de amizade e também precisa lidar com os crimes/loucuras que fez sob a influência maligna.

Para não ser presa ou internada em um hospício, Ava precisa comparecer a um grupo de terapia da igreja, chamado Possuídos Anônimos. E a terapia consiste em se desculpar com as pessoas a quem fez mal e em controlar o demônio, caso ele volte a tentar possuí-la.



Para contar a história, Galland recorre a uma estética colorida e retrô, que destoa dos cenários sombrios (cinzas, pretos, marrons) dos filmes de exorcismo. A trilha sonora, que parecem mais adequadas a filmes de drama cult, conta com a participação de Sean Lennon, filho de John Lennon e Yoko Ono.

O filme mistura drama, situações cômicas, trama policial e terror. Mas o elemento de terror, a possessão e o demônio de Ava, são apenas marginais na história. Marcas da Possessão é uma boa experiência cinematográfica, mas não causa medo ou sustos.

Enfim, se você gosta de cinema e busca coisas diferentes, esse filme é para você. Mas se você é um fã de terror, não perca seu tempo. O próprio cartaz do filme (que você vê abaixo) está mais para uma película de Almodóvar do que para O Exorcista. De zero a 10, nota 7 pela inovação.


DADOS DO FILME:
Título original: Ava's Possessions
Direção: John Galland
Ano: 2015
País: EUA
Duração: 89 minutos


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Filme SATÂNICO, da mesma produtora de THE WALKING DEAD, chega ao Brasil em outubro

Produzido pela The Circle of Confusion, a mesma produtora das séries The Walking Dead e Fear the Walking Dead, o filme Satânico (Satanic, 2016) chega às telas brasileiras em 27 de outubro. A produção traz a história de cinco amigos que, a caminho do festival Coachella, resolvem dar uma parada em Los Angeles, para fazer um tour sombrio em locais onde ocorreram crimes brutais.

Em um desses lugares, o grupo resolve evocar um demônio e acaba sendo perseguido por ele. A direção é de Jeffrey Hunt, conhecido por seu trabalho na direção de várias séries, como Gotham, Diários de um Vampiro (The Vampire Diaries), Hawaii Five-0 e CSI. Já o roteiro é assinado por Anthony Jaswinski, de Águas Rasas (The Shallows, 2016).

A distribuição no Brasil está a cargo da Fênix Filmes.



quarta-feira, 21 de setembro de 2016

ATIVIDADE PARANORMAL - DIMENSÃO FANTASMA (2015): Resenha de Filme

Atividade Paranormal: Dimensão Fantasma (Paranormal Activity: The Ghost Dimension, 2015) é o sexto filme da franquia, que começou em 2007 e estimulou uma verdadeira onda de filmes found footage de terror. Além disso, foi o primeiro a ser filmado em 3D.

Dimensão Fantasma é dirigido por Gregory Plotkin, que trabalhou como editor em quatro dos filmes anteriores, tendo ficado de fora apenas do original. Conta também com a produção de Oren Pelli, roteirista e diretor do original, que produziu todos os outros títulos da franquia.

O filme se foca em dois períodos distintos: 1988 e o presente (que no filme é 2013). No presente, acompanhamos uma família: os pais Ryan e Emily, a filha Leila, o irmão de Ryan e uma moça que não sei muito bem que relação tem com a família. Eles acabam de se mudar para uma grande casa, onde eles encontram uma câmera especial, capaz de filmar fenômenos sobrenaturais, e uma caixa com fitas VHS.

São essas fitas que fazem o espectador acompanhar os acontecimentos de 1988, que mostram Katie e Kristi (os elos que ligam toda a franquia) ainda crianças, sendo doutrinadas por sua avó e um homem de rabo de cavalo, que integram a seita das Parteiras.

Depois de encontrar essas peças antigas, a família de Ryan começa a receber a visita da sinistra entidade Tobi, que parece estar obcecado com a pequena Leila. O interessante é que, como a filmadora é capaz de visualizar o sobrenatural, o espectador pode ver, pela primeira vez, com que se parece o tal demônio.

Ele se parece um pouco com um líquido viscoso escuro. E, às vezes, ele corre como se fosse um cavalo puro sangue. Não vi o filme em 3D, mas imagino que algumas cenas devem ter ficado bem assustadoras em três dimensões.

Em boa parte de Dimensão Fantasma, assistimos a fitas VHS antigas e é justamente nessas partes que acontece uma das sacadas mais legais do filme. Uma das irmãs (acho que é a Katie) se vira para a câmera e começa a relatar as visões que o Tobi está proporcionando a ela.

E, nessas visões, ela fala exatamente o que está acontecendo na casa de Ryan, no momento em que Ryan está assistindo ao vídeo.

De resto, Dimensão Fantasma traz apenas mais do mesmo. As famosas cenas da casa escura, à noite, com o tempo correndo no relógio, sem acontecer muita coisa, intercaladas com as cenas filmadas de dia, das pessoas tentando entender o que está assombrando a casa.

Atividade Paranormal, lançado no Screamfest Festival em 2007 e comercialmente dois anos depois, foi uma ideia genial. No entanto, tudo o que veio depois tornou a história bastante repetitiva.

O segundo filme, de 2010, até ajuda a entender melhor a história do primeiro, que termina meio sem respostas. Mas, depois disso, é tudo desnecessário. Uma grande encheção de linguiça. Tanto é que Oren Pelli disse que esse seria o último filme da franquia, que custou 18 milhões de dólares e faturou mais de 800 milhões.

O interessante nesse filme, para mim, é que algumas cenas me lembraram Poltergeist (1982). Basta ver o cartaz para entender o que quero dizer. De zero a dez, nota 7.



DADOS DO FILME:
Título original: Paranormal Activity - The Ghost Dimension
Direção: Gregory Plotkin
Ano: 2015
País: EUA
Duração: 88 minutos




terça-feira, 20 de setembro de 2016

SUPERMAX, série de terror da TV Globo, estreia nesta terça-feira (20)

A esperada série de terror da TV Globo, Supermax, estreia às 23h30 desta terça-feira (20), no horário de Brasília. A trama envolve 12 criminosos que são enviados a um presídio de segurança máxima assombrado no meio da floresta amazônica, para participar de um reality show.



Eles ficarão três meses isolados no local, sem qualquer comunicação com o mundo exterior, e serão vigiados minuto a minuto por um sistema de câmeras. A única forma de comunicação é um telefone vermelho, que só pode ser usado em situações de emergência, sob o risco de eliminação do programa.



Não é possível usar relógios, joias ou qualquer tipo de metal. A única roupa permitida é o uniforme da prisão. Para ter direito à comida, é preciso merecer. Todos têm horário para dormir e acordar. Um sinal sonoro avisa que eles têm cinco minutos para se dirigir até suas celas, que serão trancadas e reabertas só no dia seguinte. Quem não voltar à cela a tempo é eliminado.



O último a deixar a penitenciária leva o prêmio de R$ 2 milhões. É claro que, nesse meio tempo, coisas sobrenaturais começam a acontecer dentro do presídio. Supermax terá 11 episódios.




segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Diretor de CONDADO MACABRO, Marcos DeBrito lança novo romance:

O roteirista e codiretor de Condado Macabro (2015), Marcos DeBrito, anunciou que vai lançar um novo romance de terror, chamado O Escravo da Capela. A obra será publicada pela Faro Editorial.

"O Escravo de Capela é um retorno ao estilo do meu primeiro livro, repleto de crueldade e terror com influências do ultrarromantismo e folclore nacional", disse DeBrito, em seu perfil no Facebook.

DeBrito já publicou outros dois romances: À Sombra da Lua (Ed. Rocco, 2013), sobre lobisomens, e Condado Macabro (Ed. Simonsen, 2015), uma novelização do filme slasher.

Livro de Stephen King esgotado há anos no Brasil, CUJO será relançado em novembro e já está em pré-venda

Romance de Stephen King publicado no início da década de 1980, Cujo (1981) vai ganhar uma nova edição brasileira pela Editora Suma de Letras. A obra estava esgotada no Brasil há anos e seus exemplares eram encontrados em sebos por preços exorbitantes.

A previsão de lançamento é 1o de novembro, mas os leitores mais ávidos já podem encomendar seus exemplares, uma vez que a Suma de Letras já colocou Cujo em pré-venda.



A história é bem simples. Cujo é o nome do cachorro que contrai raiva após ser mordido por um morcego. Ele vive na casa de um mecânico e quando, uma mãe e seu filho aparecem por lá para consertar seu carro, eles ficam presos dentro do veículo, sob o risco de ser atacados pelo cão.


domingo, 18 de setembro de 2016

MATADOURO (2012): Resenha de filme

Eu descobri Matadouro (2012) através de um link do Facebook e acabei adiando bastante para assisti-lo no Youtube. Trata-se de um slasher found footage nacional feito de forma bastante amadora, com câmeras amadoras, atores provavelmente amadores e cenários aparentemente improvisados.

A história é bem simples. Um grupo de amigos volta para casa, depois de uma viagem, e decide zoar um pedestre no meio da estrada. Eles oferecem uma carona ao pobre homem e o fazem correr para alcançar o carro. O veículo, no entanto, acelera e eles deixam o cara literalmente na pista.

O primeiro problema é que o carro enguiça e uma das meninas (que pegou carona com eles) decide mijar no meio do mato. O segundo problema é que o pedestre que eles sacanearam é, na verdade, um psicopata. É uma história clássica de um slasher on the road.

Apesar do amadorismo da produção e da pouca originalidade do roteiro, eu gostei do filme. É claro que as imagens das câmeras amadoras têm uma qualidade bem ruim e você já sabe como a história vai terminar antes mesmo de começar. Mas a edição é bem feita e os atores são convincentes. Os diálogos não são forçados e você percebe que parecem mesmo amigos se zoando. Esse é o grande ponto positivo da produção dirigida por Carlos Junior, que também é um dos amigos que atuam no filme.

Na primeira metade do filme, que se passa basicamente dentro de um carro velho, a espontaneidade dos atores resulta em boas risadas. Na segunda metade, que se passa no matadouro propriamente dito, a boa atuação deles te provoca agonia e aflição.

Nessa segunda parte, as cenas são bastante escuras. Se, por um lado, isso compensa a falta de qualidade da câmera, por outro prejudica um pouco a compreensão do que está acontecendo.

De qualquer forma, os efeitos sonoros, junto com os gritos das vítimas, provocam uma sensação de mal-estar que se encaixa bem na proposta de Matadouro. Vale a pena assistir. De zero a 10, nota 6.





DADOS DO FILME:
Título original: Matadouro
Direção: Carlos Junior
Ano: 2012
País: Brasil
Duração: 72 minutos